Archive

Archive for the ‘Profecias’ Category

DESTAQUE – A PROFECIA DE ISAÍAS 17 E O MOMENTO ATUAL

Desde o último artigo que publicamos em destaque, sobre as atuais “crises” que estão gradativamente levando o mundo para o caos (crise financeira x crise ambiental x extremismo religioso) estamos observando os acontecimentos e algo tem chamado a nossa atenção.

Uma profecia muito antiga, registrada por Isaías há 2.700 anos sobre Damasco e que parece estar se cumprindo de maneira incrível ante os nossos olhos. Veja :

“Este é o julgamento de Deus contra Damasco, capital da Síria. Vejam, Damasco sumiu! Já não é mais uma cidade, é um montão de ruínas. As suas cidades estão vazias de gente. São ocupadas por ovelhas que por ali pastam e se deitam sem que ninguém as espante. A força de Israel e o poder de Damasco acabarão. Não haverá quem escape da destruição na Síria. Todos vão desaparecer, como desapareceu a grandeza do reino de Israel, afirma o Senhor do Universo” [Isaías 17:1-3 – Versão Bíblia Viva]

Sinceramente, se não estivermos errados, parece que o atual esvaziamento da Síria – com milhares saindo num êxodo desesperado do seu país – pode ser um prenúncio de que a profecia está em franco cumprimento.

Por outro lado, parece assustador o silêncio acerca dessa profecia por parte das grandes lideranças cristãs. Se esse silêncio das lideranças cristãs com relação à profecia de Isaías 17 se dá por ignorância ou desatenção, não sabemos. É inegável que há uma relação muito profunda entre o que está profetizado em Isaías 17:1-3 e o que está ocorrendo na Sìria neste momento. No entanto, o mais prudente é aguardar pra ver se já é neste tempo que Isaías 17 vai se cumprir.

Observamos, também, que os abalos financeiros continuam avançando implacavelmente, quebrando a credibilidade do atual sistema financeiro mundial e fazendo parecer a todos de que será necessária uma “reestruturação” sistêmica, trazendo conseqüências que nós sabemos muito bem aonde chegarão… (Apocalipse 13)
Em Cristo,

Jaime Santana.

CONTINUA…

LEIA A 2ª PARTE NO SITE PROJETO ÔMEGA, NA PÁGINA DE DESTAQUE.

O CENÁRIO FINANCEIRO E AS PROFECIAS

EM DESTAQUE

31/08/15

 

O atual cenário econômico-ambiental-religioso levará o mundo a aceitar uma “monstruosidade”? Estamos vendo agora uma estranha combinação de crises ocorrendo no cenário mundial, juntando três elementos explosivos: desastre econômico x desastre ambiental x extremismo religioso. Qual a significação de todos esses acontecimentos?

 

Desastre Econômico

De forma muito estranha, os atuais fundamentos da economia mundial estão sofrendo sucessivos abalos. Não é fácil analisar tudo o que está acontecendo e enquadrar todos esses eventos “aparentemente” desconexos na profecia bíblica.

De acordo com o que temos estudado, ficamos sabendo que a economia será um dos braços de sustentação da futura ditadura do Anticristo que será implantada mundialmente, chegando ao ponto que todo aquele que não se adequar ao futuro sistema econômico, não conseguirá obter itens básicos para sobrevivência.

Não é de hoje que Satanás usa desastre financeiro para impelir as pessoas a revoltarem-se contra o Pai. Lembramos que esse anjo perverso usou o desastre econômico como uma das formas para forçar o fiel patriarca Jó a quebrar sua fidelidade a Deus. Evidentemente, naquela ocasião ele não conseguiu quebrar a fé de Jó com esse expediente.

Vemos, também, que alguns passos têm sido dados no sentido de levar as pessoas ao desespero, como demissão em massa de trabalhadores e um fluxo imigratório totalmente descontrolado na Europa, no Brasil e nos EUA, aumentando a tensão social, a qual, possivelmente, levará ao confronto das populações urbanas nessas regiões.

Em Mateus 24:7 lemos que haverá “fome”. Obviamente, tem havido fome desde o início da história humana. Mas, repare que Jesus aponta a fome como um dos sinais característicos de sua vinda.

Então, visto que o inimigo pretende usar todos os expedientes à sua mão para forçar a maior parte da humanidade a aceitar a sua nova forma de governo monstruosa, podemos esperar que uma crise econômica sem precedentes evolua ao ponto em que grandes porções da humanidade passem a enfrentar a falta de alimentos numa escala nunca antes vista e talvez atingindo países líderes do sistema.

Desastre Ambiental

A maior cidade da América do Sul está enfrentando a pior falta de água em 50 anos. Por sua vez, o Rio São Francisco está baixando de nível assustadoramente… Na Califórnia, EUA, acontece a pior estiagem dos últimos 50 anos!

Perceba também os rasgados apelos feitos pela mais alta autoridade do Catolicismo para que o “problema ambiental” seja enfrentado por uma coordenação supranacional de países e não pela atual estrutura anárquica de nações. Você não acha isso estranho? Pense bem.

Lemos no livro de Jó que todos os 10 filhos do patriarca foram mortos em decorrência de um “desastre ambiental”:

“… Quando um furacão se levantou de repente do deserto, abalou os quatro cantos da casa e esta desabou sobre os jovens. Morreram todos” [Jó 1:19]

Note que a utilização de desastre natural e falência econômica foram expedientes usados contra Jó, servo do Altíssimo. Não estaria hoje essa criatura espiritual perversa com a mesma intenção? Não usaria mais uma vez essa combinação de eventos para conduzir as nações ao um caos, visando forçá-las a aceitar a idéia de que precisam de uma nova forma de governo global?

Extremismo Religioso

Junte-se a essa “combinação explosiva” (crise econômica x crise ambiental) outro elemento que tem causado imensa insatisfação na humanidade apartada do Eterno, que é o “extremismo religioso”.

Esse terceiro elemento tem produzido um clima de terror nas populações das nações privilegiadas. Verificamos que este não é um problema apenas do Oriente Médio, mas, também, de países como o Brasil, onde “o extremismo da religião”, supostamente, tem impedido a liberação total em lei das diferentes formas opção sexual, gerando insatisfação daqueles cujas mentes estão apartadas de Deus.

Evidentemente, ainda é cedo para afirmar que essas crises que estão a cada dia tomando força já levarão o mundo imediatamente para o predito governo ditatorial mostrado nas Escrituras. Mesmo por que, ainda aguardamos o desenrolar dos eventos relacionados com Ezequiel 38-39, cujo impacto atingirá em cheio à nação de Israel.

Não podemos ser levianos e afirmar que, em vista de todos esses eventos que estamos presenciando nesse momento, os eventos finais ocorrerão amanhã ou depois de amanhã…

Porém, que possamos ter atenção redobrada, pois, além de toda a combinação explosiva que listamos aqui, ainda resta um quarto elemento, conforme o Senhor Jesus nos alertou, que é a ocorrência de um cenário de guerra, quando Ele disse em Mateus 24 que “nação se levantará contra nação e reino contra reino”.

Estaria Ele falando de uma guerra de proporções sistêmicas nos moldes da II Guerra Mundial? Será que vai ser necessária uma ruptura tão brusca que só uma guerra em escala mundial pode causar para, finalmente, convencer toda a humanidade a aceitar a aberração governamental que Satanás deseja implantar em toda a Terra?

Temos que aguardar pra ver. O que temos de concreto é o alerta do Senhor Jesus sobre “homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo” [Lucas 21:26]

Ou seja, entendemos que Satanás levará a maioria da humanidade ao pânico na sua intenção maligna de convencer todos a aceitarem a maior aberração de toda a história humana.

Um sistema de governo que, abrangendo administrativamente toda a Terra, estará supostamente comprometido em equacionar os terríveis problemas enfrentados por todos. A propaganda demoníaca convencerá a maior parte da humanidade de que toda a Terra deve trabalhar de “forma coordenada” para erradicar os problemas enfrentados por todos, visto que as instabilidades econômicas são sentidas em todo o planeta, os desastres ambientais têm efeito em todo o mundo e o extremismo religioso provoca terror e “atraso” em todo lugar… Por sua vez, a guerra traz prejuízo à paz e ao comércio em todo o planeta.

Apenas os cristãos, nascidos de novo, perceberão a armadilha por trás de toda essa propaganda demoníaca que enganará a maior parte da humanidade desesperada por voltar à “normalidade” depois de um terrível cenário de crise.

Onde estará o nosso coração nesse período? Precisamos nos derramar em oração agora, rogando a Deus que tenha misericórdia de nós para não mergulharmos juntamente com os ímpios no grande pânico que será ocasionado pela maior tribulação a ser enfrentada pela humanidade em toda a sua história.

Em Cristo,

Jaime Santana

 

PROJETO ÔMEGA

“Arrependei-vos e crede no evangelho” [Marcos 1:15]

 

Saiba que o Altíssimo está no controle de tudo e de todos. Mesmo nos momentos mais difíceis, Ele estará conosco. A nossa salvação em Cristo é eterna. Nele, somos novas criaturas. Ele já venceu a morte. Ele é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na tribulação. Se você leu este artigo e ainda não tem a certeza da salvação eterna em Jesus, faça agora mesmo um compromisso com Ele! Convide-o para entrar em seu coração e mostrar-lhe a verdade que liberta. Veja porque você precisa ser regenerado e justificado, para viver a boa, perfeita e agradável vontade eterna do Criador e estar firme Nele diante de qualquer circunstância. Clique AQUI.

 

Fonte: Projeto Ômega – Destaque

UMA ANÁLISE DE 2 TESSALONICENSES 2:1-8

 

Arrebatamento

Como todos sabemos a posição escatológica que é mais difundida em nosso país é a pré-tribulacionista. Neste ensinamento a Igreja deverá ser arrebatada antes da Grande Tribulação e, portanto, antes da manifestação do anticristo, uma vez que esta manifestação ocorrerá na Grande Tribulação.

 

Apesar da maioria dos cristãos evangélicos hoje serem pré-tribulacionistas há irmãos que pensam de forma diferente e apontam com clareza as falhas deste sistema escatológico. Por exemplo, podemos citar um ótimo estudo publicado pelo Pr. Zwinglio Rodrigues em seu blog com o título: 2 Tessalonicenses 2:1-3: Uma Pedra No Sapato (?) . Neste estudo podemos ver o problema que o texto de 2 Tessalonicenses causa para os pré-tribulacionistas. Gostaria então de dar minha contribuição para se ter uma ideia de como este texto gera problemas para a interpretação pré-tribulacionista.

 

ANALISANDO O TEXTO

 

verso 01-02: Ora, quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, rogamos-vos, irmãos, que não vos movais facilmente do vosso modo de pensar, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola como enviada de nós, como se o dia do Senhor estivesse já perto.

 

Veja que no texto acima Paulo esta falando da vinda de Jesus e nossa reunião com Ele (arrebatamento). Em outras palavras ele esta dizendo o seguinte: “No que se refere ao arrebatamento da Igreja, que ocorrerá na vinda do Senhor Jesus, rogamos a vocês que não se deixem abalar nem alarmar tão facilmente, quer por profecia, quer por palavra, quer por carta supostamente vinda de nós como se o Dia do Senhor estivesse perto”. Em algumas traduções aparece como “Dia do Senhor já tivesse chegado”, no sentido de estar muito próximo.

 

Então o assunto aqui é o arrebatamento da Igreja. E sobre este assunto ele exorta a todos que não se percam no entendimento deste assunto como se o Dia do Senhor estivesse perto.

 

Existem traduções que traduzem como “Dia de Cristo” e muitos afirmam que “Dia de Cristo” e “Dia do Senhor” se tratam de assuntos diferentes. Eu particularmente acredito que se tratam do mesmo dia, ou período pois Cristo é o único Senhor:

Pois mesmo que haja os chamados deuses, quer no céu, quer na terra, ( como de fato há muitos “deuses” e muitos “senhores” ), para nós, porém, há um único Deus, o Pai, de quem vêm todas as coisas e para quem vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, por meio de quem vieram todas as coisas e por meio de quem vivemos. 

1 Coríntios 8:5-6

 

Não há diferenças entre os termos Dia de Cristo e Dia do Senhor. De outra forma, o que faríamos então com os termos “Dia de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Corintios 1:8), “Dia de Jesus Cristo” (2 Corintios 1:14), “Dia de Cristo Jesus” (1 Filipenses 1:6) e “Dia de Deus” (2 Pedro 3:12)? Cada um destes termos teriam entendimentos diferentes um dos outros? Creio que não.

De qualquer forma, independente do que se creia sobre estes dois termos, vamos analisá-los separadamente:

 

DIA DO SENHOR

 

1 Tessalonicenses 5:1-6 MAS, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva; Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas. Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios.

 

2 Pedro 3:3-14: Sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências, e 

dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.

Eles voluntariamente ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus, e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste.Pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio, mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios. Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se. Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão. Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade, aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão? Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça. Por isso, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz.

 

No texto de 1 Tessalonicenses 5:1-6 citado acima somos informados que o Dia do Senhor virá como um ladrão e, quando ele vier, os filhos da luz não serão pegos de surpresa com a chegada deste momento pois, por serem filhos da luz, não estão em trevas para não perceberem a proximidade da vinda do Dia. Para esta ideia fazer sentido (de não ser pego de surpresa quando o Dia do Senhor chegar) é necessário que a Igreja esteja na terra neste momento, sóbria e vigilante para não ser surpreendida pela chegada deste Dia.

 

Em 2 Pedro 3:3-14 Pedro nos informa a mesma coisa, o Dia do Senhor virá como um ladrão de noite, e também nos informa que a Igreja aguarda aqui na terra a chegada deste dia (procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis). Nos versos 05, 06 e 07 vemos também que a vinda do Dia do Senhor é comparada aos dias do dilúvio.

Creio que Paulo e Pedro, nos textos acima citados, estão sendo fiéis a Jesus quando instruiu que deveriam ensinar aos homens tudo o que lhes foi ordenado (Mateus 28:19-20). E os textos acima estão fortemente ligados às palavras do Senhor no sermão profético. No texto abaixo coloquei na cor azul textos e expressões ligados a 1 Tessalonicenses 5:1-6, vermelha para expressões ligadas a 2 Pedro 3:3-14 e verde para expressões ligadas a ambos os textos.

 

E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem. Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro; Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra. Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso SenhorMas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis. Quem é, pois, o servo fiel e prudente, que o seu senhor constituiu sobre a sua casa, para dar o sustento a seu tempo? Bem-aventurado aquele servo que o seu senhor, quando vier, achar servindo assim. Em verdade vos digo que o porá sobre todos os seus bens. Mas se aquele mau servo disser no seu coração: O meu senhor tarde virá; E começar a espancar os seus conservos, e a comer e a beber com os ébrios, virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera, e à hora em que ele não sabe, E separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes

Mateus 24:37-51

 

É espantoso as semelhanças entre este 3 textos! Sem soma de dúvidas Paulo e Pedro estão se referindo a esta passagem do sermão profético quando falaram sobre o Dia do Senhor. Veja também que esta parte do sermão profético, que aliás vai até o final do capítulo 25, parece se dirigir à Igreja. A ligação entre estes textos é tão grande que se o pré-tribulacionista insistir que todo o sermão profético não foi dito à Igreja, mas sim aos judeus, então chegaremos a absurda conclusão de que as cartas de 1 Tessalonicenses e 2 Pedro também o foram e daqui a pouco podemos concluir que nenhuma epístola do Novo Testamento foi escrito para a Igreja. É muito evidente que isto não pode ser verdade. Fica patente então que os discípulos que receberam o sermão profético estão representando a Igreja.

 

E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz o que tem os sete espíritos de Deus, e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto. Sê vigilante, e confirma os restantes, que estavam para morrer; porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus. Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei

Apocalipse 3:1-3

 

Veja no texto acima que o Senhor diz a igreja que esta em Sardes que, se não se arrepender e não vigiar seria pega de surpresa na vinda de Jesus como ladrão. Então o alerta à vinda de Jesus como um ladrão na noite é para a Igreja. Devemos nos arrepender e manter a vigilância para que naquele dia não sejamos pegos de surpresa. Porém, se os homens permanecerem em seus pecados e não se arrependerem, serão pegos de surpresa quando o Senhor vier, e de modo nenhum escaparão. Este texto de Apocalipse escrito para a Igreja é praticamente a mesma mensagem que Paulo passou aos Tessalonicenses. A diferença é que a mensagem de Paulo foi positiva quanto aos tessalonicenses enquanto que para a Igreja de Sardes a mensagem foi de repreensão. No entanto a base é a mesma, a vinda de Jesus será como um ladrão para os ímpios em geral mas os filhos da luz não serão pegos de surpresa quando este dia chegar.

 

Desta forma, baseado no que foi exposto acima, a maioria dos pré-tribulacionistas atuais acreditam que o Dia do Senhor começa logo após o arrebatamento da Igreja, com o início da Grande Tribulação. Isso parece muito lógico pois os textos informam claramente a presença da Igreja na terra até que venha este dia, além disso a vinda como um ladrão na noite é base para manter a vigiância, e a exortação a vigilância é voltada a Igreja baseada nesta ideia da vinda como um ladrão. Portanto, para a maior parte dos pré-tribulacionistas, a Grande Tribulação esta incluída no período “Dia do Senhor”. Sendo assim, quando Jesus vier arrebatar a Igreja, começa simultaneamente o Dia do Senhor, com o início do período tribulacional. Podemos ver isto, por exemplo, no manual de escatologia de J. Dwight Pentecost, considerado o melhor manual de escatologia para os pré-tribulacionistas:

 

“…o termo dia do Senhor, ou aquele dia, não se aplica a um período de 24 horas, mas a todo o plano de acontecimentos, incluindo o período de tribulação, o segundo advento e toda a era milenar. Pode-se dizer que assim será todo o período começando com os julgamentos da septuagésima semana até a era milenar” Capítulo 11, página 224

“Se o dia do Senhor não começasse até a segunda vinda, visto que esse acontecimento é precedido por sinais, ele não poderia vir como um ‘ladrão na noite’, inesperado e sem anúncio, como se diz que virá em 1 Tessalonicenses 5.2. A única maneira pela qual esse dia poderá chegar inesperadamente ao mundo é se  chegar imediatamente após o arrebatamento da igreja. Conclui-se, então, que o dia do Senhor é o extenso período de tempo que se inicia com a retomada do tratamento de Deus para com Israel após o arrebatamento no início do período tribulacional, passando pelo segundo advento e pela era milenar até a criação do novo céu e da nova terra depois do milênio.” Capítulo 15, página 295

 

Veja então que Pentecost concorda que o Dia do Senhor começa com o arrebatamento da igreja e inclui a Grande Tribulação. Sua conclusão tem lógica dentro da ótica pré-tribulacionista pois, se o Dia do Senhor vem como um ladrão na noite, e para eles a vinda de Jesus para arrebatar sua igreja vem como um ladrão na noite, logo o Dia do Senhor começa assim que ocorra o arrebatamento. Parece ser bem lógico não é?

Entretanto, apesar de quase todos os pré-tribulacionistas concordarem neste ponto há excessões. Veja abaixo a opinião do famoso comentarista da mais famosa bíblia de estudo do século XX.

 

“O dia de Jeová (também chamado ‘aquele dia’ e o ‘grande dia’) é o período prolongado de tempo que se inicia com o retorno do Senhor na sua glória e termina com a destruição dos céus e da terra pelo fogo, preparando novo céu e nova terra” (C. I. SCOFIELD, Reference Bible, p. 1349)

 

Veja então que para Scofield o Dia do Senhor começa com o retorno em glória do Senhor, isto é, após a Grande Tribulação, e se estende por todo milênio.

 

Que impasse pré-tribulacionista!

 

Levando em conta o argumento de Pentecost ser lógico ao amarrar o início do Dia do Senhor ao arrebatamento da Igreja estaria então Scofield errado? Parece que bíblicamente não, pois há fortes evidências de que este grande dia do Senhor só poderá iniciar depois da Grande Tribulação. Vejamos:

 

Os olhos altivos do homem serão abatidos, e a altivez dos varões será humilhada, e só o Senhor será exaltado naquele dia. Pois o Senhor dos exércitos tem um dia contra todo soberbo e altivo, e contra todo o que se exalta, para que seja abatido… E a altivez do homem será humilhada, e o orgulho dos varões se abaterá, e só o Senhor será exaltado naquele dia

Isaías 2:11-12;17

 

Neste texto aprendemos que, no dia do Senhor, somente Ele será exaltado. Na Grande Tribulação o dragão e as duas bestas receberão adoração, então não deve ser incluída no Dia do Senhor.

 

Então os homens se meterão nas cavernas das rochas, e nas covas da terra, por causa da presença espantosa do Senhor, e da glória da sua majestade, quando ele se levantar para assombrar a terra.

Naquele dia o homem lançará às toupeiras e aos morcegos os seus ídolos de prata, e os seus ídolos de ouro, que fizeram para ante eles se prostrarem, para se meter nas fendas das rochas, e nas cavernas das penhas, por causa da presença espantosa do Senhor e da glória da sua majestade, quando ele se levantar para assombrar a terra

Isaías 2:19-21

 

Veja neste mesmo capítulo que o próprio Senhor vai se levantar para assombrar a terra no dia do Senhor e as referências de homens se metendo em cavernas e nas covas para fugir da presença gloriosa do Senhor tem referência a Apocalipse 6:15-17 que se refere a segunda vinda.

 

Eis que o dia do Senhor vem, horrendo, com furor e ira ardente; para pôr a terra em assolação e para destruir do meio dela os seus pecadores. Pois as estrelas do céu e as suas constelações não deixarão brilhar a sua luz; o sol se escurecerá ao nascer, e a lua não fará resplandecer a sua luz.

E visitarei sobre o mundo a sua maldade, e sobre os ímpios a sua iniqüidade; e farei cessar a arrogância dos atrevidos, e abaterei a soberba dos cruéis. Farei que os homens sejam mais raros do que o ouro puro, sim mais raros do que o ouro fino de Ofir. Pelo que farei estremecer o céu, e a terra se movera do seu lugar, por causa do furor do Senhor dos exércitos, e por causa do dia da sua ardente ira. 

Isaías 13:9-13

 

Neste texto fantástico vemos quão terrível será a vinda do Dia do Senhor para os pecadores. Haverá sinais da vinda do Dia do Senhor: as estrelas dos céus e as suas constelações não darão a sua luz; o sol se escurecerá ao nascer, e a lua não resplandecerá com a sua luz. Repare neste texto que o próprio Senhor visitará a maldade da humanidade.

 

O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor. 

Joel 2:31

 

Aqui aprendemos que o sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, ANTES que venha o grande e terrível dia do SENHOR. Veja que os sinais nos céus, sol e lua antecedem o Dia do Senhor.

 

E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas. Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus. 

Mateus 24:29-31

 

Aqui Jesus nos ensina que estes sinais nos céus, lua e sol acontecerão logo após a Grande Tribulação e que, logo após estes sinais, ocorre a segunda vinda de Cristo na qual os seus escolhidos serão ajuntados pelos anjos no céu.

Ora, se os sinais nas estrelas, sol e lua vão suceder a Grande Tribulação e anteceder o Dia do Senhor, é evidente que a Grande Tribulação não esta incluída neste período. Primeiro vem a Grande Tribulação, depois os sinais nos céus, depois disto vem o Dia do Senhor. Logo as Escrituras PROÍBEM que a Grande Tribulação seja incluída no Dia do Senhor.

 

Para evidenciar ainda mais que o Dia do Senhor é pós-tribulacional posso citar os seguintes textos:

 

Ajuntai-vos, e vinde, todos os gentios em redor, e congregai-vos. Ó SENHOR, faze descer ali os teus fortes; Suscitem-se os gentios, e subam ao vale de Jeosafá; pois ali me assentarei para julgar todos os gentios em redor. Lançai a foice, porque já está madura a seara; vinde, descei, porque o lagar está cheio, e os vasos dos lagares transbordam, porque a sua malícia é grande. Multidões, multidões no vale da decisão; porque o dia do SENHOR está perto, no vale da decisão. O sol e a lua enegrecerão, e as estrelas retirarão o seu resplendor.

Joel 3:11-15 

 

Aqui o Dia do Senhor esta associado ao dia em que o Ele se assentará para julgar os gentios (Mateus 25:31-32) que acontecerá com a segunda vinda de Jesus, após a Grande Tribulação. Esta associado também ao dia da ceifa na qual o lagar estará cheio e que encontramos referência com as mesmas palavras em Apocalipse 14:14-20, que descreve acontecimentos do fim da Grande Tribulação. É associado também a multidões de gentios congregados em um vale chamado de vale de Jeosafá, ou, da decisão. Este vale é o mesmo vale do Armagedom de Apocalipse 16:13-16, veja o texto:

 

E da boca do dragão, e da boca da besta, e da boca do falso profeta vi sair três espíritos imundos, semelhantes a rãs. Porque são espíritos de demônios, que fazem prodígios; os quais vão ao encontro dos reis da terra e de todo o mundo, para os congregar para a batalha, naquele grande dia do Deus Todo-Poderoso. Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas roupas, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas. E os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armagedom.

Apocalipse 16:13-16

 

O vale na qual os gentios serão congregados para uma batalha chama-se vale do Armagedom (o mesmo vale de Jeosafá). Todos esse eventos, a ceifa e a batalha do Armagedom, são eventos que acontecerão ao fim da Grande Tribulação. Interessante que em plena Grande Tribulação, com a presença ativa do falso profeta e a besta, e na iminência da batalha do Armagedom, ainda se clama que o Senhor Jesus virá como um ladrão que aponta para a vinda do Dia do Senhor conforme esta em Joel. A sincronia entre estes textos é perfeita. Com certeza o Dia do Senhor é pós-tribulacional e aponta para a segunda vinda de Cristo.

 

Como fica o impasse pré-tribulacionista então? Pentecost apresenta argumento lógico ligando o início do Dia do Senhor ao arrebatamento da Igreja. Observando os textos de 1 Tessalonicenses 5:1-6, 2 Pedro 3:3-14 e Apocalipse 3:1-3, é clara a presença da igreja na terra até o início da Dia do Senhor, que virá como um ladrão na noite. Por outro lado, Scofield esta correto ao afirmar que o Dia do Senhor é pós-tribulacional. E agora?

 

O impasse é desfeito se o pré-tribulacionismo for rejeitado. O Dia do Senhor é com certeza pós-tribulacional, conforme evidenciado acima. Entretanto, também a Igreja aguarda aqui a vinda desde Dia na qual o Senhor voltará e a arrebatará, conforme também foi demonstrado acima. Se este arrebatamento é pós-tribulacional o impasse acaba.

 

DIA DE CRISTO

 

Para os que preferem esta tradução vejamos:

 

Estou convencido de que aquele que começou boa obra em vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus. É justo que eu assim me sinta a respeito de todos vocês, uma vez que os tenho em meu coração, pois, quer nas correntes que me prendem quer defendendo e confirmando o evangelho, todos vocês participam comigo da graça de Deus. Deus é minha testemunha de como tenho saudade de todos vocês, com a profunda afeição de Cristo Jesus. Esta é a minha oração: que o amor de vocês aumente cada vez mais em conhecimento e em toda a percepção, para discernirem o que é melhor, a fim de serem puros e irrepreensíveis até o dia de Cristo

Filipenses 1:6-10

 

Veja no texto acima que Paulo nos ensina que aquele que começou em nós a boa obra vai aperfeiçoá-la até o Dia de Cristo Jesus. Veja também que ele afirma que sua oração é que o amor de todos nós aumente cada vez mais em conhecimento e em toda percepção do que é melhor, a fim de sermos puros e irrepreensíveis até o Dia de Cristo. É claro que o texto é para os filipenses, porém pode muito bem ser aplicado a toda Igreja que, neste texto, esta representada pelos filipenses.

 

Sendo assim pergunto: Até quando a Igreja precisa ser aperfeiçoada? Até quando a Igreja precisará de orações para que cresça cada vez mais no amor e no discernimento do que é melhor? Até quando a Igreja terá que se manter pura e irrepreensível?

 

Veja a semelhança do argumento de Paulo com outros textos que falam da vinda do Senhor e nosso encontro com o noivo:

 

Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão. Peleja a boa peleja da fé, apodera-te da vida eterna, para a qual foste chamado, tendo já feito boa confissão diante de muitas testemunhas. Diante de Deus, que todas as coisas vivifica, e de Cristo Jesus, que perante Pôncio Pilatos deu o testemunho da boa confissão, exorto-te a que guardes este mandamento sem mácula e irrepreensível até a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo

1 Timóteo 6:11-14

 

Timóteo, no texto acima, representa a Igreja que deve se manter sem mácula e irrepreensível até quando? Até a vinda de Jesus para arrebatá-la, pois depois do arrebatamento não há necessidade de perseverar, já seremos perfeitos.

Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo.

2 Coríntios 11:2-3

 

Paulo nos ensina no texto acima que a Igreja esta sendo preparada como uma virgem pura a um marido, que é Cristo. Ora, hoje a Igreja é a noiva do Cordeiro, quando acontecer o casamento, que é o arrebatamento, a virgem não precisará mais ser preparada. Então a boa obra que começou e ainda esta em vigor na Igreja vai ser completada no arrebatamento.

 

Vós, maridos, amai a vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela,a fim de a santificar, tendo-a purificado com a lavagem da água, pela palavra,para apresentá-la a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem qualquer coisa semelhante, mas santa e irrepreensível … por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e se unirá à sua mulher, e serão os dois uma só carne. Grande é este mistério, mas eu falo em referência a Cristo e à igreja.

Efésios 5:25-27,31-32

 

Mais uma vez vemos que Cristo purifica sua igreja para apresentá-la a si mesmo Igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, mas santa e irrepreensível. Quando a Igreja será apresentada á Cristo? No casamento (versos 31 e 32), que é o arrebatamento, o grande mistério.

 

E o próprio Deus de paz vos santifique completamente; e o vosso espírito, e alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.

1 Tessalonicenses 5:23

 

Mais um texto claro informando que a Igreja será plenamente conservada irrepreensível por Deus para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, isto é, até o dia do arrebatamento na qual receberemos nossos corpos glorificados.

 

Assim também a ressurreição dentre os mortos. Semeia-se o corpo em corrupção; ressuscitará em incorrupção. Semeia-se em ignomínia, ressuscitará em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscitará com vigor. Semeia-se corpo natural, ressuscitará corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual. Assim está também escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão em espírito vivificante. Mas não é primeiro o espiritual, senão o natural; depois o espiritual. O primeiro homem, da terra, é terreno; o segundo homem, o Senhor, é do céu. Qual o terreno, tais são também os terrestres; e, qual o celestial, tais também os celestiais.

E, assim como trouxemos a imagem do terreno, assim traremos também a imagem do celestial. 1 Coríntios 15:42-49

 

Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos. 1 João 3:2

 

Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo,

Que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas

Filipenses 3:20-21

 

É na ressurreição dos santos e transformação de nossos corpos, isto é, no arrebatamento, que a obra que Cristo começou em nós irá terminar.

 

É muito claro para mim que Paulo esta referindo o Dia de Cristo como aquele dia na qual ocorrerá a ressurreição dos justos e quando ocorrerá o arrebatamento da Igreja. Pois é neste dia que a Igreja estará completamente aperfeiçoada. É até este dia que a Igreja deverá crescer no amor. É até este dia que deverá crescer no discernimento do que é melhor. É até este dia que deverá se manter pura e irrepreensível.

 

Logo, o dia de Cristo é o mesmo dia do arrebatamento da Igreja, quando ocorrerá a ressurreição dentre os mortos e os vivos serão transformados com corpos glorificados por ocasião da vinda do Senhor.

 

VOLTANDO AO TEXTO DE 2 TESSALONICENSES 2

 

Tendo em vista que o Dia do Senhor é pós-tribulacional nas Escrituras, e a igreja espera aqui a vinda deste Dia, e que o Dia de Cristo é o dia de sua vinda para arrebatar a Igreja e terminar a obra de que ele começou nela, voltemos então ao texto de 2 Tessalonicenses 2:1-4.

 

Ora, quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, rogamos-vos, irmãos, que não vos movais facilmente do vosso modo de pensar, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola como enviada de nós, como se o dia do Senhor estivesse já perto. Ninguém de modo algum vos engane; porque isto não sucederá sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição, aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus.

 

Veja que antes do Dia de Cristo, ou Dia do Senhor, deverá primeiro vir a apostasia e se revelar o filho da perdição, o anticristo.

 

1o. Apostasia.

2o. Manifestação ou Revelação do Anticristo.

3o. Dia do Senhor ou Dia de Cristo.

 

Não podemos, a custa de nossa tradição, colocar a Escritura contra a própria Escritura. O correto é rever nosso conceito de forma que ele seja harmonizado com as Escrituras. Nossos conceitos em qualquer questão da vida devem ser sempre remodelados conforme a Palavra de Deus todas as vezes que encontrarmos alguma divergência com ela.

 

O Dia do Senhor é pós-tribulacional e a Igreja aguarda aqui a vinda deste dia conforme mostramos acima.

O Dia de Cristo é o dia da vinda do Senhor para arrebatar a Igreja conforme também demonstrei acima.

 

Se Paulo diz que o dia do nosso encontro com o Senhor não vai acontecer sem que antes venha a apostasia e se manifeste o anticristo por que o pré-tribulacionismo insistem em inverter a ordem?

 

SOBRE A APOSTASIA

 

Alguns pré-tribulacionistas acham que a tradução de “apostasia” esta errado e na verdade o correto é “afastamento” como que se referindo ao arrebatamento.

Vejamos o verso três no grego Textus Receptus.

Verso 03 (Textus Receptus):

 

μή τις ὑμᾶς ἐξαπατήσῃ κατὰ μηδένα τρόπον ὅτι ἐὰν μὴ ἔλθῃ ἡ ἀποστασία πρῶτον καὶ ἀποκαλυφθῇ ὁ ἄνθρωπος τῆς ἁμαρτίας, ὁ υἱὸς τῆς ἀπωλείας

 

O que ocorre na verdade é que a palavra αποστασια, segundo o Dicionário Strong (concordância 646), pode ter os seguintes significados: separação, deserção, apostasia. Portanto, se analisarmos o contexto, é impossível que esta palavra seja interpretada como arrebatamento pois este já esta inserido no termo “Dia de Cristo” ou “Dia do Senhor” como já demonstramos claramente acima. Estes dois termos tem ligação direta com a permanência da Igreja na terra. A Igreja permanece aguardando o Dia de Cristo.

Ora, se o termo grego αποστασια, segundo o texto de 2 Tessalonicenses, acontece antes do Dia de Cristo, então não faz sentido que este termo seja interpretado como arrebatamento, pois seria o mesmo que dizer que o arrebatamento não acontecerá sem que antes ocorra o arrebatamento!  Absurdo! Esta palavra em grego tem apenas duas ocorrências na Bíblia. Uma em 1 Tessalonicenses 2:3, que estamos estudando, e a outra esta em Atos 21:21 como podemos ver abaixo:

 

Atos 21:21 (Textus Receptus): κατηχήθησαν δὲ περὶ σοῦ ὅτι ἀποστασίαν διδάσκεις ἀπὸ Μωσέως τοὺς κατὰ τὰ ἔθνη πάντας Ἰουδαίους λέγων μὴ περιτέμνειν αὐτοὺς τὰ τέκνα μηδὲ τοῖς ἔθεσιν περιπατεῖν

 

ALMEIDA CORRIGIDA E REVISADA FIEL

E já acerca de ti foram informados de que ensinas todos os judeus que estão entre os gentios a apartarem-se de Moisés, dizendo que não devem circuncidar seus filhos, nem andar segundo o costume da lei.

 

SOCIEDADE BÍBLICA BRITÂNICA

E têm sido informados a teu respeito de que ensinas todos os judeus que estão entre os gentios a apostatarem de Moisés, dizendo-lhes que não circuncidem seus filhos nem andem segundo os nossos ritos.

 

No texto acima vemos que Paulo ensinava os judeus convertidos a se afastarem de Moisés, isto é, se afastar do ensinamento do costume da lei. A tradução da Sociedade Bíblica Britânica traduz como “apostatarem”.

 

Portanto a tradução correta para αποστασια é apostasia, deserção, separação no sentido de afastar-se de Deus, e não a Igreja afastar-se do planeta terra.

 

O DETENTOR DA MANIFESTAÇÃO DO ANTICRISTO

 

Não vos lembrais de que estas coisas vos dizia quando ainda estava convosco? E agora vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado; e então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda; 

2 Tessalonicenses 2:5-8

 

Vimos acima que algo ou alguém detém a manifestação do anticristo. Paulo escreve que ele já havia falado sobre isto com os tessalonicenses enquanto esteve com eles mas não revela no texto a identidade do detentor da manifestação do anticristo. Já que Paulo não revelou para nós, somente aos tessalonicenses, então qualquer opinião que eu dar aqui será mera especulação. Entretanto uma coisa é certa: o detentor neste texto não é a Igreja. Voltando para a ordem dos acontecimento segundo Paulo neste texto:

 

1o. Apostasia.

2o. Manifestação ou Revelação do Anticristo.

3o. Dia do Senhor ou Dia de Cristo (Volta de Cristo na qual a Igreja será arrebatada)

 

Ora, algo detém a manifestação do anticristo que não sabemos. Todavia, uma vez retirado o detentor, o anticristo se manifestará e se revelará como tal se assentando no santuário de Deus como se fosse o próprio. Então, só depois desta manifestação é que vira o Dia de Cristo que, como já vimos, é a volta do Senhor na qual a Igreja será arrebatada. Logo, se primeiro é necessário que o anticristo se manifeste para o Dia de Cristo (arrebatamento) vir, e algo detém esta manifestação do iníquo até que seja retirado, então este que detém não pode ser a Igreja pois a sua permanência na terra esta ligada à vinda do Dia de Cristo que só pode acontecer depois da manifestação do filho da perdição.

 

Outro detalhe importante: Paulo informa que o anticristo será desfeito pelo sopro da boca do Senhor na sua vinda. No grego, vemos para a palavra “vinda” o termo παρουσίας (parousia). Aqui claramente Paulo esta falando da vinda em glória do Senhor, após a Grande Tribulação.

 

Para entender melhor o emprego de Paulo desta palavra (parousia) vamos analisar os versos na qual esta palavra aparece para os tessalonicenses nas duas cartas.

 

1 Tessalonicenses 2:19: “Porque, qual é a nossa esperança, ou gozo, ou coroa de glória? Porventura não o sois vós também diante de nosso Senhor Jesus Cristo em sua vinda?”  –  Aqui parousia se refere a vinda para galardoar os crentes, a vinda do arrebatamento que, para os pré-tribulacionista, é a vinda secreta.

1 Tessalonicenses 3:13: “Para confirmar os vossos corações, para que sejais irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo com todos os seus santos.” – A expressão vinda com todos os santos é com certeza pós-tribulacional (Zacarias 14:5; Judas 14; Apocalipse 19:14). Então aqui parousia se refere a vinda em glória e visível ao mundo.

 

1 Tessalonicenses 4:15: “Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem.” – Aqui, o pré-tribulacionista interpreta parousia como a vinda secreta, antes da Grande Tribulação.

 

1 Tessalonicenses 5:23: “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.” – Aqui o pré-tribulacionista interpretará a parousia como a vinda secreta.

 

2 Tessalonicenses 2:1: “Ora, quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, rogamos-vos, irmãos” – Este texto vai dividir opiniões entre os pré-tribulacionistas. Uns dirão que parousia aqui é a vinda secreta e outros dirão que é a vinda em glória.

 

2 Tessalonicenses 2:8: “e então será revelado esse iníquo, a quem o Senhor Jesus matará como o sopro de sua boca e destruirá com a manifestação da sua vinda – O pré-tribulacionista interpretará parousia aqui como a vinda em glória, após a Grande Tribulação.

 

Veja então que a palavra parousia é interpretada às vezes como a vinda secreta e às vezes como a vinda gloriosa pelos pré-tribulacionistas.

 

Minha pergunta aqui é: Se você é um dos tessalonicenses, e recebe as duas cartas de Paulo em grego para ler, e então, durante a leitura da primeira carta, e depois passando para a segunda, não encontrar nenhuma diferenciação para o uso da palavra parousia, você irá entender que a esta parousia é na verdade duas, ou dividida em duas fases? E que a primeira é antes da Grande Tribulação e a segunda é depois da mesma? E também irá entender quando interpretar como “vinda secreta” (antes da Grande Tribulação) e quando interpretar como “vinda gloriosa” (depois da Grande Tribulação)? Responda sinceramente a você mesmo. Se eu fosse este leitor não entenderia desta forma de maneira alguma. Entenderia sim como uma única vinda, e não duas.

 

O pré-tribulacionista interpreta uma mesma palavra em um mesmo contexto de formas diferentes e preconceituosas. Ele já tem em mente o ensinamento que recebeu, então, ao ler o texto, interpreta conforme a escatologia que aprendeu, e que esta pré-concebida em sua mente, e não conforme o que o texto realmente quer dizer. Não seria o caso de rever os nossos conceitos escatológicos e voltarmos para as Escrituras? Não deveríamos tirar de nossa mente as idéias pré-concebidas e ler e entender aquilo que realmente esta escrito? Pense nisso.

 

CONCLUSÃO

 

Todos os argumentos pré-tribulacionistas para interpretar este texto produz mais confusão do que conclusão:

 

Uns vão preferir a tradução do verso 02 como “Dia de Cristo” para dizer que este dia não é a mesma coisa que Dia do Senhor. Mas desta forma vão entrar em colisão com o ensinamento do próprio Paulo sobre este dia pois para Paulo este dia é o dia da volta de Jesus para arrebatar a Igreja.

 

Uns vão incluir o período tribulacional no Dia do Senhor e outros não. Porém, nem um nem outro é completamente bíblico se tiver o arrebatamento pré-tribulacionista e ao comparar com outros textos que falam sobre o Dia do Senhor gera uma grande confusão.

 

Uns vão entender a palavra apostasia como apostasia mesmo e outro entenderá como arrebatamento.  Porém ambas interpretações vão gerar problemas.

Todos eles vão ligar de alguma forma o arrebatamento ao detentor do anticristo o que não é possível.

 

Tudo isso para tentar encaixar no texto algo que não esta lá. É como se você quisesse montar um quebra-cabeça e colocasse uma peça errada durante a montagem, e então, quando se aproximar da conclusão do jogo, perceber que algo esta errado e não conseguir concluir. Na interpretação deste texto, a peça errada é o arrebatamento antes da Grande Tribulação. Retire esta peça e verá como o texto fará mais sentido.

 

Analisando profundamente o texto de 2 Tessalonicenses 2:1-8, é impossível ver o ensinamento pré-tribulacionista no ensinamento de Paulo. O texto em questão ensina que a vinda do Senhor para arrebatar a Igreja é pós-tribulacional, assim como foi a fé da igreja primitiva e até alguns séculos atrás.

 

Deus abençoe a todos.

 

Fernando A. Lima Jr.

Postado por Fernando A. Lima Jr.

Fonte