Arquivo

Archive for dezembro \27\UTC 2014

Curso Linux Ubuntu (E-book Gratuito)

img-ebook-curso-linux-ubuntuAprenda como dominar o Linux de uma vez por todas!

(Curso Linux Ubuntu “Ebook Gratuito”)

Ebook do Curso Linux Ubuntu, dicas imperdíveis para ter sucesso com Linux!

Pedro Delfino

Mais detalhes sobre o conteúdo!

Você vai aprender …

  1. COMEÇANDO COM UBUNTU LINUX: É destinado principalmente a usuários e administradores de sistemas. Vai ajudar a melhorar e mostrar rapidamente com encontrar e instalar o software no Ubuntu
  2. COMPARANDO UBUNTU LINUX COM OUTRAS DISTRIBUIÇÕES LINUX: Vamos tratar uma questão que sempre está em palta antes de escolher a distribuição Ubuntu Linux para trabalhar no desktop ou no servidor. Qual é a diferença ?
  3. FERRAMENTAS PARA INSTALAR SOFTWARES ADICIONAIS NO UBUNTU LINUX: Estamos nos preparando para iniciar a manutenção dos softwares de um sistema Ubuntu Linux, e também Debian Linux. Com as ferramentas APT, dpkg e Aptitude
  4. COMO MANIPULAR REPOSITÓRIOS DO APT, NO UBUNTU: Para enfim, entender como o Ubuntu Linux, gerencia repositórios de pacotes deb.
  5. APT GERENCIANDO PACOTES (SOFTWARES) NO UBUNTU: Vamos ver como trabalhar com o comando APT, para gerenciar pacotes no Ubuntu Linux e no Debian Linux.
  6. APT NO UBUNTU LINUX – COMO ADICIONAR REPOSITÓRIO DE TERCEIROS: como adicionar repositório de terceiros no Ubuntu Linux. É um bom exemplo, pois existem milhares de repositórios APT com milhares de softwares disponíveis.
  7. COMO INSTALAR PACOTES (SOFTWARES) NO UBUNTU VIA APT: Como utilizar o APT para instalar pacotes no Ubuntu Linux ou no Debian Linux. Veremos para são resolvidas as dependências de pacotes .deb
  8. COMO ATUALIZAR PACOTES COM O APT NO UBUNTU LINUX: Como atualizar pacotes com o APT no Ubuntu Linux? Isso é bem mais simples do que parece, o APT facilita muito o trabalho de atualização do sistema.
  9. COMO REMOVER PACOTES NO UBUNTU LINUX VIA APT: Remover pacotes no Ubuntu Linux é tão fácil quanto instalar, talvez até mais fácil. Para remover pacotes via apt no Ubuntu ou no Debian vamos usar o comando apt-get remove
  10. E muito mais …

Receba em seu email o Ebook do Curso Linux Ubuntu agora mesmo!

Acesse: Curso Linux Ubuntu

Anúncios
Categorias:Linux, Ubuntu

A origem do Natal e seus aspectos históricos

natal-natal-1

Entenda a origem e como surgiu a tradição do Natal, o que se comemora nesta data tão especial, seu simbolismo. A origem do natal deve ser compreendida para vivenciarmos essa festa em toda sua plenitude. O Natal é a solenidade cristã que celebra o nascimento de Jesus Cristo. A data para sua celebração é o dia 25 de Dezembro, pela Igreja Católica Romana e, o dia 7 de Janeiro, pela Igreja Ortodoxa. Conheça um pouco mais sobre a história do natal. Onde surgiu o natal? Leia o texto abaixo e entenda um pouco mais sobre a tradição natalina.

Após a celebração anual da Páscoa, a comemoração mais venerável para a Igreja é o Natal do Senhor e suas primeiras manifestações. Ainda sendo uma festa cristã, é encarado universalmente por pessoas dos diversos credos como o dia consagrado à reunião da família, à paz, à fraternidade e à solidariedade entre os homens.

Para entendermos a história do natal temos que buscar a origem da palavra natal. Nas línguas latinas o vocábulo Natal deriva de Natividade, ou seja, referente ao nascimento de Jesus. Em inglês o termo utilizado é Christmas, literalmente “Missa de Cristo”. Já na língua alemã, é Weihnachten e têm o significado de ‘Noite Bendita’.

No ano 245 d.C., o teólogo Orígenes repudiava a idéia de se festejar o nascimento de Jesus “como se fosse um Faraó”. Há inúmeros testemunhos de como os primeiros cristãos valorizavam cada momento da vida de Jesus Cristo, especialmente sua Paixão e Morte na Cruz. No entanto, não era costume na época comemorar o aniversário e portanto não sabiam que dia havia nascido o seu Senhor. Os primeiros testemunhos indicam datas muito variadas, e o primeiro testemunho direto que afirma que Jesus Cristo nasceu no dia 25 de Dezembro é de Sexto Júlio Africano, no ano 221.

De acordo com o almanaque romano, a festa já era celebrada em Roma no ano 336 d.C. Na parte Oriental do Império Romano, comemorava-se em 7 de janeiro o seu nascimento, ocasião do seu batismo, em virtude da não-aceitação do Calendário Gregoriano. No século IV, as igrejas ocidentais passaram a adotar o dia 25 de dezembro para o Natal e o dia 6 de janeiro para Epifania (que significa “manifestação”). Nesse dia comemora-se a visita dos Magos.

A celebração do Natal de Jesus foi instituída oficialmente pelo Papa Libério, no ano 354 d.C. Segundo estudos, a data de 25 de dezembro não é a data real do nascimento de Jesus. A Igreja (Católica Romana) entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários povos celebravam por altura do solstício de Inverno.

Portanto, segundo certos eruditos, o dia 25 de dezembro foi adotado para que a data coincidisse com a festividade romana dedicada ao “nascimento do deus sol invencível”, que comemorava o solstício do Inverno. No mundo romano, a Saturnália, festividade em honra ao deus Saturno, era comemorada de 17 a 22 de dezembro; era um período de alegria e troca de presentes. O dia 25 de dezembro era tido também como o do nascimento do misterioso deus persa Mitra, o Sol da Virtude.Assim, em vez de proibir as festividades pagãs, forneceu-lhes simbolismos cristãos e uma nova linguagem cristã. As alusões dos padres da igreja ao simbolismo de Cristo como “o sol de justiça” (Malaquias 4:2) e a “luz do mundo” (João 8:12) expressam o sincretismo religioso (mistura de ideias e doutrinas diversas).As evidências confirmam que, num esforço de converter pagãos, os líderes religiosos adotaram a festa que era celebrada pelos romanos, o “nascimento do deus sol invencível” (Natalis Invistis Solis), e tentaram fazê-la parecer “cristã”.
Para certas correntes místicas como o Gnosticismo, a data é perfeitamente adequada para simbolizar o Natal, por considerarem que o sol é a morada do Cristo Cósmico. Segundo esse princípio, em tese, o Natal do hemisfério sul deveria ser celebrado em junho.Há muito tempo se sabe que o Natal tem raízes pagãs. Por causa de sua origem não-bíblica, no século 17 essa festividade foi proibida na Inglaterra e em algumas colônias americanas. Quem ficasse em casa e não fosse trabalhar no dia de Natal era multado. Mas os velhos costumes logo voltaram, e alguns novos foram acrescentados. O Natal voltou a ser um grande feriado religioso, e ainda é em muitos países.
E quanto a Bíblia, o que ela fala sobre o natal? Será se existe vestígios de comemoração natalina neste livro tão lido pelos que se dizem cristãos e até por alguns não cristãos?Sim, existe… mas não tem nada a ver com Jesus! Vejamos alguns textos:
“Mas vocês, aproximem-se, vocês, filhos de adivinhas (agoureiras), vocês, prole de adúlteros e prostitutas! De quem vocês estão zombando? De quem fazem pouco caso? E para quem mostram a língua? Não são vocês uma ninhada de rebeldes, uma prole de mentirosos? Vocês ardem de desejo entre os carvalhos e debaixo de toda árvore frondosa (verde); vocês sacrificam seus filhos nos vales e debaixo de penhascos salientes. Os ídolos entre as pedras lisas dos vales são a sua porção; são a sua parte. Isso mesmo! Para eles você derramou ofertas de bebidas e apresentou ofertas de cereal. Poderei eu contentar-me com isso? Você fez o leito numa colina alta e soberba; ali você subiu para oferecer sacrifícios. Atrás de suas portas e dos seus batentes você pôs os seus símbolos pagãos. Isaías 57:3-8
Outro texto na Bíblia:
Acaz tinha vinte anos de idade quando começou a reinar, e reinou dezesseis anos em Jerusalém. Ao contrário de Davi, seu predecessor, não fez o que o Senhor aprova. Ele andou nos caminhos dos reis de Israel e fez ídolos de metal para adorar os baalins. Queimou sacrifícios no vale de Ben-Hinom e chegou até a queimar seus filhos em sacrifício, imitando os costumes detestáveis das nações que o Senhor havia expulsado de diante dos israelitas. Também ofereceu sacrifícios e queimou incenso nos altares idólatras, no alto das colinas e debaixo de toda árvore frondosa (árvore verde). 2 Crônicas 28:1-4Esses textos mostram onde tudo começou e como era no início. Felizmente hoje não queimam crianças debaixo dessas árvores verde, agora artificiais, mas infelizmente as orgias e bebedeiras continuam em ampla escala. Comemora quem quer, da maneira como pode e deseja…

 

Devemos nos esquecer da ideia de Jesus como um menino indefeso numa manjedoura, num presépio, e uma data fixa. Devemos falar do seu Reino, do seu sacrifício, da sua ressurreição, e sua Volta. Ele virá novamente, não como um menino, mas como um Rei Glorioso (Mateus 25:31) e fará justiça e juízo a todos os homens.

Falem do amor de Deus no Senhor Jesus Cristo, não só no 25 de dezembro, e que esta comunhão (uma das poucas coisas que se aproveita nesta data), para muitos existente só nesta época, possa perdurar por todo o ano.

Ele virá, jamais esqueçam disso!

Fonte1

Fonte2