Início > Linux, Ubuntu > Conheça o sistema livre que ameaça o Windows

Conheça o sistema livre que ameaça o Windows

Ashlee Vance

Eles são uma praga miserável ou as pessoas capazes de superar o Windows. Escolha. Em dezembro, centenas desses controversos desenvolvedores de software se reuniram por uma semana na sede do Google em Mountain View, Califórnia. Eles vieram do mundo todo, exibindo muitos dos sinais usuais dos soldados do software: jeans, cabelo preso em rabo de cavalo, barba desgrenhada e olhos vermelhos.

Hazel Thompson/The New York Times

Mark Shuttleworth, líder do Ubuntu, posa com sua equipe, em Londres

Mark Shuttleworth, líder do Ubuntu, posa com sua equipe, em Londres

Ashlee Vance

Mas em vez de programar pela melhor oferta, os desenvolvedores coordenavam um esforço, sobretudo voluntário, para solapar o sistema operacional da Microsoft, Windows, que gerou cerca de US$ 17 bilhões em vendas no ano passado. O estardalhaço se centrava em algo chamado Ubuntu e um homem com o nome de Mark Shuttleworth, um carismático bilionário sul-africano de 35 anos, que trabalha como o líder financeiro e espiritual desse clã da codificação. Criado há mais de quatro anos, o Ubuntu emerge como a versão mais celebrada e de maior expansão do sistema operacional Linux, que compete com o Windows primordialmente devido a seu preço extremamente baixo: zero.

Estima-se que mais de 10 milhões de pessoas rodem o Ubuntu atualmente, e elas representam uma ameaça à hegemonia da Microsoft nos países desenvolvidos e talvez uma maior ainda em regiões que correm atrás da revolução tecnológica. “Se tivermos sucesso, podemos mudar os fundamentos do mercado de sistema operacional,” disse Shuttleworth em um intervalo do encontro, o Ubuntu Developer Summit. “A Microsoft precisaria se adaptar, e acho que seria saudável.”

O Linux é gratuito, mas existe dinheiro envolvido nos serviços para o sistema operacional. Companhias como IBM, Hewlett-Packard e Dell instalam Linux em mais de 10% de suas máquinas vendidas como servidores, e empresas pagam esses fabricantes de hardware e outros, como as vendedoras de software Red Hat e Oracle, para obter assistência técnica e atualização de seus sistemas com base em Linux.

Mas a Canonical, companhia de Shuttleworth que desenvolve o Ubuntu, decidiu focar suas aspirações de médio prazo sobre os PCs usados por trabalhadores e usuários em suas residências.

O sonho de um competidor de peso com base em Linux para fazer frente ao Windows e, em menor escala ao Mac OS X, da Apple, é recorrente para os defensores do software de código aberto. Eles defendem a idéia de que um software que pode ser alterado gratuitamente pelas massas pode se provar melhor e mais barato do que o código protegido produzido por corporações enfadonhas.

Em sua tentativa, entretanto, os fanáticos por Linux fracassaram na missão de tornar o sistema hegemônico em computadores pessoais e portáteis. O software por vezes estranho permanece no reino dos geeks, não das avós. Com o Ubuntu, acreditam os devotos, as coisas talvez finalmente mudem.

“Acho que o Ubuntu capturou a imaginação das pessoas em torno do Linux no PC,” disse Chris DiBona, gerente para código aberto do Google. “Se há esperança para o Linux no PC, são eles.” Quase metade dos 20 mil funcionários do Google usa uma versão levemente modificada do Ubuntu, apelidada de Goobuntu.

Pessoas que se deparam com o Ubuntu pela primeira vez o acham bem similar ao Windows. O sistema operacional tem uma interface gráfica eficiente, menus familiares e todos os softwares comuns em computadores: navegador de internet, programas de e-mail e mensagem instantânea e um conjunto de utilitários para criar documentos, planilhas e apresentações.

Companhias de tecnologia estabelecidas já notaram o entusiasmo acerca do Ubuntu. A Dell começou a vender computadores com o software em 2007, e a IBM recentemente tornou o Ubuntu a base de um pacote de software que compete com o Windows.

A Canonical, que tem sede em Londres, possui mais de 200 funcionários em tempo integral, mas sua força de trabalho vai muito além, através de um exército de voluntários. A companhia pagou para que cerca de 60 voluntários fossem ao seu evento de desenvolvimento, considerando-os importantes contribuidores para o sistema operacional.

Outros mil trabalham no projeto Debian e disponibilizam seu software à Canonical, enquanto cinco mil disseminam informação sobre o Ubuntu pela internet. E 38 mil já se cadastraram para traduzir o software em diferentes línguas.

Quando uma nova versão do sistema operacional é disponibilizada, os devotos do Ubuntu se avolumam na internet, geralmente prejudicando os web sites que o distribuem. E centenas de outras organizações, a maioria universidades, também ajudam na distribuição. O instituto de pesquisa tecnologia IDC estima que 11% das empresas americanas possuem sistemas baseados no Ubuntu. Ou seja, muitos dos maiores consumidores do Ubuntu estão na Europa, onde o domínio da Microsoft enfrenta intensos escrutínios regulatórios e políticos.

O Departamento de Educação da Macedônia confia no Ubuntu, fornecendo 180 mil cópias do sistema operacional às crianças, enquanto o sistema escolar espanhol possui 195 mil computadores com Ubuntu. Na França, a Assembléia Nacional e a Gendarmerie Nationale, a polícia militar, contam com o Ubuntu num total de 80 mil PCs. “A palavra ‘gratuito’ foi muito importante,” disse Rudy Salles, vice-presidente da assembléia, observando que com ele a legislatura abandonou a Microsoft.

Sem dúvida, a rápida ascensão do Ubuntu teve a ajuda do fervor em volta do Linux. Mas é Shuttleworth e seu estilo de vida ostentoso que geram boa parte da atenção dada ao Ubuntu. Embora prefira se vestir casualmente como os desenvolvedores, algumas de suas atividades, inclusive uma viagem ao espaço, são tudo menos triviais.

“Veja, tenho uma vida privilegiada, certo?” disse Shuttleworth. “Sou bilionário, bacharel e ex-cosmonauta. A vida não poderia ser melhor. Ser um geek de Linux traz equilíbrio à força.”

A primeira parcela da fortuna de Shuttleworth veio após ele se formar em negócios na Universidade da Cidade do Cabo em 1995. Ele pagava suas contas operando uma pequena consultoria de tecnologia, configurando servidores Linux para companhias rodarem seus sites e outras operações básicas. Sua inclinação aos negócios e seu passado tecnológico o inspiraram a tentar aproveitar o interesse crescente pela internet. “Sou mais um acadêmico que um negociante afiado,” disse. “Estava muito interessado em como a internet estava mudando o comércio e determinado a ir atrás disso.”

Em 1995, Shuttleworth decidiu abrir uma companhia chamada Thawte Consulting, que oferecia certificados digitais, um mecanismo de segurança que navegadores usam para verificar a identidade das companhias. Aos 23 anos, ele visitou a Netscape para promover uma ampla padronização desses certificados. A Netscape, então líder em navegadores da web, comprou a idéia e a Microsoft, que faz o internet Explorer, imitou.

Com o crescimento da mania ponto.com, companhias se mostraram interessadas na lucrativa firma sediada na África do Sul. Em 1999, a VeriSign, que coordena uma série de serviços de infra-estrutura da internet, comprou a Thawte por US$ 575 milhões. (Shuttleworth havia recusado uma oferta de US$ 100 milhões meses antes.) Único proprietário da Thawte, Shuttleworth, filho de um cirurgião e de uma professora de jardim de infância, se tornou muito rico com apenas 26 anos.

Então o que faz um novo e criativo milionário? Shuttleworth olhou para as estrelas. Em 2002, pagando o estimado de US$ 20 milhões a oficiais russos, ele garantiu uma viagem de dez dias ao espaço e à Estação Espacial Internacional pela Soyuz TM-34, se tornando o primeiro “afronauta,” como a imprensa o chamou na época.

“Após vender a companhia, não fiquei em uma situação de iates e loiras,” disse. “Estava bem claro que me encontrava em uma situação única, em que devia escolher fazer coisas que caso contrário não seriam possíveis.” Nos anos seguintes, Shuttleworth investiu em capital de risco e organizações de caridade. Através de investimentos nos Estados Unidos, África e Europa, disse, ele acumulou uma fortuna de mais de US$ 1 bilhão.

No entanto, ele passa 90% de seu tempo trabalhando na Canonical, que considera outro projeto que desafia o que é possível. “Investi bem, mas nunca me senti preenchido,” disse. “Temo chegar ao fim da minha vida e sentir que não construí nada de verdade. E realizar o que é considerado impossível é atraente.” O modelo da Canonical dificilmente seria rentável.

Muitas companhias de código aberto distribuem versões gratuitas limitadas de seus softwares, enquanto vendem uma versão completa com serviços complementares para mantê-lo atualizado. A Canonical distribui tudo, incluindo seu produto principal, e então espera que as companhias contratem seus serviços, como a administração de grandes grupos de servidores e computadores ao invés de confiá-los a especialistas internos.

A Canonical também recebe de companhias como a Dell, que vende computadores com Ubuntu e com quem trabalha conjuntamente em projetos de engenharia de software, como inclusão em laptops de recursos baseados em Linux. Levando tudo em consideração, a receita anual da Canonical está em torno de US$ 30 milhões, disse Shuttleworth. Esse número não preocupa a Microsoft.

Mas Shuttleworth defende que US$ 30 milhões anuais é o suficiente, exatamente o que precisa para financiar atualizações regulares do Ubuntu. E um sistema operacional gratuito que se paga, disse, pode mudar o modo como as pessoas vêem e usam seu software cotidiano.

“Estamos criando a paz mundial ou mudando fundamentalmente o mundo? Não,” ele disse. “Mas podemos mudar o que e quanto de inovação por dólar as pessoas esperam.”

Tradução: Amy Traduções

The New York Times

Fonte

Anúncios
Categorias:Linux, Ubuntu
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: